Olhando a Maré - Jornal Cruzeiro do Vale

Por Herculano Domício

25/09/2021

Agora é orar I

A saída do presidente do MDB de Gaspar da função de ex-prefeito de fato e do comando da super-secretaria de Fazenda e Gestão Administrativa, Carlos Roberto Pereira talhada ao seu jeito na cara reforma administrativa de 2017, esconde vários dramas e jogadas. E o próprio prefeito reeleito Kleber Edson Wan Dall, ainda no MDB, é parte delas. É clara, também, que a participação de Kleber na última reunião mensal do MDB foi uma encenação. Tudo pelo poder. Carlos Roberto só saiu do governo porque corria o risco sério de como presidente do MDB, “articulador” e assessor, ver Kleber sair do partido. E pior: sob a sua disfarçada benção.

Agora é orar II

Desde a inauguração daquele trechinho do Anel de Contorno do atraso, devido ter ele uma só pista, numa rodovia prestes a ser duplicada, para dar numa ponte a poucos metros dali, também duplicada, como a melhor saída e entrada da cidade para a BR 470, quase duplicada, fervilhou naquele palanque armado, conchavos para viabilizar Kleber candidato a qualquer coisa no ano que vem. E isso passou por conversas com muitos estranhos ao MDB, incluindo o empresário Luciano Hang, da Havan. Ele por insistência do presidente Jair Messias Bolsonaro, sem partido, quer Luciano como uma cabeça de ponte bolsonarista em Santa Catarina ao senado, numa dobradinha com Jorginho Mello, PL, ao governo do estado.

Agora é orar III

Ver Kleber candidato interessa em primeiro lugar ao PSD do atual vice Marcelo de Souza Brick. Ele, mansinho, a tudo assiste. Interessa, principalmente, ao que passou influenciar no segundo mandato de Kleber, o deputado estadual, evangélico neo-petencostal, de Blumenau, Ismael dos Santos, PSD. Ele quer ser candidato a deputado Federal. E onde entra nesta história Luciano? Com Bolsonaro e os bolsonaristas, enquanto Kleber abre a rede púlpitos de influência dele e de Ismael. E o que Carlos Roberto tem a ver com isso? Vai que Kleber tenha sucesso e mesmo não tendo, ficará selada à retribuição de Kleber ao projeto do seu prefeito de fato para ser candidato em 2024. Simples assim. E ao mesmo tempo, o MDB de Gaspar fica limpo nessa história toda de amarrações dos poderosos de sempre. Entenderam?

Agora é orar IV

Agora, é orar para que tudo isso tramado, pensado e em execução nos bastidores político de Gaspar e região venha dar certo até o ano que vem. E por que? Bolsonaro está em queda e ficará apenas com um nicho do eleitorado, em torno 25%. Quando estava em alta, no ano passado, seus representantes por aqui só deram vergonha nas urnas: último e penúltimo colocados na majoritária e na proporcional, nem traço de votos. Restará a máquina dos evangélicos. Ela não tem partido, mas os usa, incluindo o MDB, PP, PSD, PSC, PSL, PL... E se tudo der errado? Kleber tem até abril para repensar o que alinha hoje, ou se for adiante e não se eleger, terá empregos públicos como sempre teve até a campanha de 2024 quando colocará suas fichas para que o ex-prefeito de fato, seja eleito. E outra vez, será preciso orar.

Agora é orar V

E qual a razão de tanta oração? É que o MDB poderá ser o centro, ou o pêndulo decisivo, das eleições do ano que vem, tanto no plano nacional e na estadual. O MDB de Gaspar já errou quando pediu e apostou publicamente no impeachment do governador Carlos Moisés da Silva, sem partido. O MDB estadual deu a sobrevida ao governador. O MDB de Gaspar repetindo as erráticas apostas de eleições anteriores, rifou o prefeito de Jaraguá do Sul Antidio Aleixo Lunelli para ser o entrante candidato a governador do partido. A aposta no velho, o senador Dário Berger. Ou seja, na chance que tinha para sair bem na foto, sem Kleber que quer se lançar na aventura evangélica, o MDB de Gaspar, preferiu mais uma vez ter uma foto tremida. Acorda, Gaspar!

TRAPICHE

A difícil virada de mesa. Gaspar é a Capital da Moda Infantil. Mas, 57% dos produtos saem daqui sem o selo de origem para abastecer magazines e marcas próprias.

O calcanhar de Aquiles dessa Capital da Moda Infantil é a mão de obra. O governo de Kleber Edson Wan Dall, MDB, não quis mais pagar o aluguel e o Senai foi embora de Gaspar. Está confiando apenas no IFSC e que é para outro tipo de qualificação. Então..

Poucos percebem, mas nos bastidores há uma briga de caça ao tesouro para ver com quem fica com o espólio do DEM e do PSL, que prometem se fundir nacionalmente diante do veto às coligações proporcionais.

O poder de plantão quer - e trabalha - um laranja seu, ama suposta oposição promete se recompor a partir desta fusão para ser uma via possível em 2024. Entretanto, esta mesma oposição, parece achar que tudo cairá do céu.

Na Câmara de Gaspar tem gabinete de vereador que não possui identificação do seu titular. É vergonha ou não quer a visita do povo para as cobranças de praxe ao governo que representa?

De fato, era apenas um vereador de oposição entre os 13. Deles, 11 são da Bancada do Amém ao prefeito Kleber Edson Wan Dall, MDB.

A arrogância e o constrangimento está fazendo a oposição se estabelecer pragmaticamente em três vereadores: Dionísio Luiz Bertoldi, PT; abrir o olho de Alexsandro Burnier, PL, que está na coluna do meio, e criticamente ter, eventualmente, Amauri Bornhausen, PDT, da Bancada do Amém.

O MDB e o poder de plantão, é dado à barbeiragens. Em 2018, também movida a arrogância e sabendo da sua fragilidade, conseguiu inverter a maioria que tinha na Câmara e ficar em minoria. Aprendizado, zero!

 

 

Edição 2021

Comentários

Herculano
24/09/2021 17:16
Caros leitores e leitoras deste espaço

Esta coluna espichei um pouco mais no blog www.olhandoamare.com.br que pode ser acessado do seu smartphone, tablet ou desktop.

Ou no link acima.

Advertência. De uma olhada e compartilhe. Gaspar na política não é para amadores.

Deixe seu comentário


Seu e-mail não será divulgado.

Seu telefone não será divulgado.