Olhando a Maré - Jornal Cruzeiro do Vale

As contas de Gaspar mais uma vez não fecham nos discursos e na transparência dos políticos e gestores públicos com a cidade e os cidadãos

06/07/2020

Jogam e não administram

Tratam todos como tolos, ignorantes e analfabetos

Apostam na imprensa que só publica propaganda enganosa feita em gabinetes para criar clima de campanha eleitoral


O vereador Cícero Giovane Amaro, PL, (à esquerda) foi a tribuna sugerir que o governo pagasse os juros dos microempresários como uma espécie de incentivo fiscal. Mixaria. O líder do governo, Francisco Solano Anhaia, MDB, (centro), brecou a ideia porque para ele, a arrecadação tinha caído 60%. Agora, o prefeito de fato e secretário da Fazenda Gestão Administrativo, Carlos Roberto Pereira, MDB, (à direita) foi a imprensa dizer  que não houve queda. Aumentou 1,8%

Volto há quase dois meses. O vereador Cícero Giovane Amaro, PL, em meio ao voo ainda muito desconhecido da pandemia da Covid-19 sobre a economia, ousou na Câmara de Gaspar, sugerir que em Gaspar, o governo de Kleber Edson Wan Dall, MDB, imitasse o prefeito de Indaial, André Moser, PSDB, um município parecido no tamanho com aqui e também à beira da BR-470.

Lá o prefeito passou uma lei onde bancará, por um período, os juros dos micros-empresários que não atrasarem suas prestações na rede de crédito do sistema financeiro, tomados especialmente para se sustentarem neste período difícil. A razão do prefeito de Indaial, era o de fomentar ao mínimo à economia dos pequenos para assim mitigar os problemas sociais, promover a geração de riquezas na economia local e até, manter parte da arrecadação aos cofres municipais em decorrência desse incentivo.

Cícero saiu da tribuna e minutos depois veio o líder do governo de Kleber, o vereador Francisco Solano Anhaia, MDB, e pau na sugestão de Cícero. Qual a argumentação de Anhaia? De que a arrecadação de Gaspar já tinha caído 60%, repito, 60% e não se poderia criar mais encargos aos cofres municipais, sob pena de inviabilizar um governo que emprega uma azeitada máquina de cabos eleitorais em cargos comissionados e funções gratificadas que chega a quase 250 servidores.

Essa queda de 60% de arrecadação virou manchete aqui – e viraria em qualquer lugar do mundo. Assustou o poder de plantão pela repercussão, mas ninguém a desmentiu. O assunto entrou em banho-maria, apostando na memória curta da população e deste escriba.

Já o líder de Kleber enfiou a viola no saco, ficou quieto e não foi cobrado por ninguém na tribuna da Câmara. Uau!

Na semana passada, eis que o prefeito de fato, presidente do MDB, ex-coordenador de campanha e que já está vestindo de novo nesta função, o secretário da toda poderosa secretaria da Fazenda e Gestão Administrativa, Carlos Roberto Pereira, veio a público dizer que as contas estavam as mil maravilhas, apesar da crise que assola econômica e social que assola o país e o mundo.

A arrecadação nos seis meses não só não caiu, como cresceu 1,8% nos seis primeiros meses deste ano. E Anhaia quieto.

Então, nada como conferir os números do próprio balanço da prefeitura encerrado no dia 30 junho. Até poderá ter um ajuste aqui e outro acolá. Entretanto, nada relevante.

A ARRECADAÇÃO NÃO CAIU 60%. JÁ O AUMENTO DAS DESPESAS...

Primeiro: sempre afirmei que o Orçamento de Gaspar e da maioria dos municípios é uma peça de ficção. Enquanto o Tribunal de Contas não terminar com essa farra, nada vai mudar. Há vários escapismos, inclusive para livrar os administradores da Lei de Responsabilidade Fiscal. Mas, isto é outro assunto.

Segundo: vamos para as receitas. Para rememorar: você sabe quanto Gaspar prometeu arrecadar este ano? R$295.735.000,00. Em impostos, taxas e contribuições diversas prometeu colocar nos cofres este ano R$252.903.477,00. Sabe quanto já arrecadou? R$130.325.849,06. Ou seja, numa conta de padeiro, mais da metade. Nada mal. Então não tem essa de uma queda de 60%. Segundo o próprio secretário e dono do orçamento, houve um incremento de 1,8% do que se projetou e se aprovou na própria Câmara no ano passado.

Ou Anhaia mentiu, ou foi mal informado para de pronto e como sempre nas sessões da Câmara rebater Cícero, ou como de hábito, o governo Kleber e os seus, não gostam das ideias boas dos outros. Querem eles terem essa prerrogativa.

Entretanto, devo ressalvar de que muitos desses impostos, taxas e contribuições nascem nos quatro primeiros meses do ano. E aí a coisa pega. Pior, o reflexo da crise da pandemia começará a se refletir daqui em diante e vai até o final do exercício. Mas, como escrevi, e como está no balancete, pois estes números não foram inventados por mim, mais da metade do que se queria de receitas correntes já está dentro de casa.

Terceiro: o que falta é transparência. Tratam os gasparenses como tolos, analfabetos, ignorantes e desinformados. E ainda culpam a imprensa, especialmente esta coluna, a qual tenta esclarecer o que está quase óbvio a todos.

MAS, ONDE ESTÁ O PROBLEMA?

O problema não está exatamente na arrecadação, mas sim nas despesas. A informação da prefeitura é intencional e é para desviar a atenção do foco do problema e que é grave.

Isto não é em decorrência à pandemia, mas poderá se agravar em função dela. Já descrevi em artigos em janeiro analisando o desempenho das contas de 2019 da prefeitura. Ali eu reportava o mesmo problema em 2018 e que se verifica neste primeiro semestre. Então é um vício.

Volto ao ponto. O Orçamento de Gaspar é de R$295.735.000,00 para 2020, ou seja, as receitas e as despesas do exercício deveriam ser iguais para fechar sem prejuízos. Mas, as despesas já estão projetadas para R$317.425.655,77 neste ano. Mais de R$22,5 milhões. Uau!

Ou seja, tem um buraco aí. E não é pouco, que tende a aumentar ainda mais. E o governo nem aí para os ajustes administrativos da sua pesada máquina de comissionados, construída para fazer votos. Se mexer perde aliados tempos de campanha eleitoral. Se não mexer, afunda ainda mais as contas. E a escolha de Sofia parece que já está feita. Empurra-se o problema de barriga para si ou outrem. Quem ganhar, leva a bomba.

Já foram empenhados R$170.660.114,78, ou seja, muito mais do que se arrecadou nestes seis primeiros meses (R$130.325.849,06). Liquidados foram R$ R$109.263.953,47 e efetivamente pagos R$106.677.979,86, ou seja, dentro do limite que foi arrecadado até aqui em receitas correntes (R$130.325.849,06).

A dificuldade estará daqui para frente. E não seria jurinhos módicos, de linhas especiais para microempresários que quebraria a prefeitura. O verdadeiro buraco é outro. É de milhões. Com a palavra o vereador Anhaia que há dois meses anunciou uma queda de arrecadação de 60% nos primeiros cinco meses do ano para vetar a ideia de Cícero. Ou o crescimento de 1,8% na arrecadação no semestre é uma fake news do prefeito de fato e que cuida do cofre da prefeitura? Acorda, Gaspar!

Vidas, seja quais forem, interessam!

Qual foi e é mesmo a política de zoonoses do governo Kleber para Gaspar?


Rafael incentivou pedágios e promoções como feijoadas para manter ao mínimo as ações da Agapa. A covid diminuiu. O convênio de castração a prefeitura cortou

A Agapa – Associação Gasparense de Amparo e Proteção dos Animais – desde que surgiu em 2012 é uma pedinte de esquina. Vive de favores, de abnegados, de voluntários, doações e promoções.... Sobrevive da sensibilidade de gente de coração que se estabelece em valores. Neles se fundam a vida, o amor, a proteção (pessoas físicas, empresas, clínicas...).

Ou então, das espertezas de políticos que abraçam à causa fingindo-se interesses, mas só épocas pré-eleitoreiras e para que? Levar vantagens nas urnas. Simples assim! E não só no Executivo, no Legislativo também. Na semana passada, pré-candidatos já colocaram esse tema nas suas metas se eleitos. Até hoje, nada fizeram pela causa. Então, enganam...

Volto. O cabo bombeiro militar Rafael Araújo Freitas, assumiu temporariamente a Agapa quando ela estava no fundo do poço. A pandemia da Covid-19 a pegou em plena recuperação das muitas dificuldades e o fundo do poço já é uma ameaça outra vez.

E por que?

As promoções (pedágios, troco solidário, doações, parcerias) foram reduzidas drasticamente – tem uma feijoada programada em sistema drive thru no dia 18 de julho -. E o governo gasparense de Kleber Edson Wan Dall, MDB e Luiz Carlos Spengler Filho, PP, quando não resolveu cortar o mínimo que dava, como por exemplo, romper o convênio que tinha com clínicas especializadas da cidade para vacinações ou castrações de animais nas ruas e abrigos, resolveram capar parte, como o caso das rações.

Esses convênios essenciais eram para não se proliferar os cães e gatos. Eles foram “jogados” nas ruas ou já se criam lá ao relento com todas as doenças que transmitem não apenas entre eles, mas principalmente para as pessoas, incluindo as crianças.

Nem um Termo de Ajustamento de Conduta – que em Gaspar virou letra morta entre as partes e o próprio Ministério Público - firmado lá nos idos de 2014, é respeitado: educação nas escolas, castrações para animais de ruas e abrigos e as rações para os abrigados. Uma ação na Justiça tenta resgatar estas obrigações já pactuadas.

Recentemente, a Agapa até ganhou em doação um automóvel da Câmara para seu serviço. Como ela foi feita em ano eleitoral, o carro está doado, mas não transferido e fora de uso. Tinha-se a promessa de estagiários para lhe ajudar no manejo e cadastramento. Como há necessidade de economia, a prefeitura cortou possibilidade. E assim vai.

O OPORTUNISMO X RISCOS

Retomo. Outra preocupação da Agapa são os quatro abrigos. Eles são mantidos abnegados de escassas posses financeiras. Esses abrigos fazem as vezes de públicos. A prefeitura lava as mãos. E por que? Se não houver higiene e alimentação nesses abrigos, os que voluntariamente se dispuseram a este sacrifício, estão sujeitos a serem tipificados como criminosos, mesmo que eles não tenham dinheiro próprio para manter o que só aumenta em volume e custo. Impressionante à omissão dos políticos e gestores públicos dentro e fora da prefeitura.

No fundo, esses abrigos estão abandonados pela prefeitura de Gaspar naquilo que seria o mínimo de responsabilidade dela e deveria estar inserido numa política pública de zoonoses. São perto de 500 animais. Assustador o tamanho da encrenca! A ração disponibilizada pela prefeitura a esses abrigos não dura dez dias. E os demais 20? Heróis anônimos – correndo riscos sérios perante a lei – numa obrigação, que essencialmente não é dela. Impressionante!

E por que tudo piorou ainda mais àquilo que já era dificílimo, dependente de favores, da boa vontade alheia ou até do oportunismo de gente que enxerga votos? Os abandonos aumentaram diante das dificuldades das pessoas – sem sensibilidade e nas escolhas que fizeram diante daquilo que se tornou crítico para elas. Isto não é uma percepção. É uma constatação. São números e estão visíveis desde o Centro até e principalmente às comunidades periféricas de Gaspar.

Em tempo e num parêntesis necessário. Não é só aqui que isso acontece e é crítico. Em outros municípios, maiores e mais ricos que Gaspar, entidades assemelhadas à Agapa fecharam, com dívidas e desânimos dos abnegados de sempre, como foi o caso de Brusque para não ir muito longe de nós. Só depois que a notícia correu a cidade, o estado e o Brasil é que os políticos apareceram para fingir que estão dispostos a mitigar o que já é grave.

TOMA QUE O FILHO É SEU

Volto. E por que a Agapa estava no fundo do poço antes de Rafael liderar um processo de recuperação e que ia até então razoavelmente bem? Há várias razões. Uma delas é a dependência dela do voluntariado. Ele é cansativo, toma tempo das pessoas, principalmente quando se sabe que está se enxugando gelo e percebendo que está sendo usado ou boicotado.

O outro é a dependência de favores, inclusive do poder público. Ele criminosamente se nega propor e executar o que é dele: uma política mínima de zoonoses a favor da cidade e dos cidadãos. Ela até existe nos discursos eleitoreiros para não perder votos ou manchar a imagem neste segmento que não é pequeno. Mas, no fundo, tudo é falso o que os políticos e os gestores públicos fazem. E quando fazem, propagam várias vezes mais do que fazem.

Depois, para que esse cansaço não se torne crônico e comprometa uma organização voluntária como a Agapa, é preciso à renovação constante de gente interessada pela causa.

E o desinteresse aumenta na mesma proporção quando os supostos voluntários se deparam com o tamanho do problema e as dificuldades da solução. Ela exige uma participação exagerada de seu tempo e influência pela causa, ampliado significativamente pelo poder público que a quer aparelhada para os seus, quando não cobra resultados político eleitoral para seus alinhados.

Ou seja. No fundo, o público se mistura com o partidário, num processo de manipulação política partidária. Aliás, foi essa uma das causas que já enfraqueceu a Agapa – e outras entidades beneficentes por aqui - no passado.

ESTE COMPORTAMENTO NÃO É SÓ PARA COM OS ANIMAIS

Mas, o que esperar do governo Kleber e Luiz Carlos para a causa animal se a Assistência Social que lida com pessoas em estado de vulnerabilidade é um aparelho político? Nele se emprega para dirigi-la, gente sem conhecimento técnico, numa paga por ter participado da campanha eleitoral, por ter sido um assessor de confiança ou porque agora quer ser candidato a vereador?

Mas, o que esperar do governo Kleber e Luiz Carlos para a causa animal se na Saúde Pública que lida com a vida, a morte à qualidade das pessoas os postinhos são deficitários nos atendimentos, a própria secretaria já teve quatro titulares e até gente sem conhecimento técnico e o hospital que está sob intervenção municipal, cinco gestões diferentes num ambiente que comeu dinheiro bem mais do que o orçado?

Mas, o que esperar do governo Kleber e Luiz Carlos para a causa animal se durante todo esse tempo com o projeto de coleta de esgoto pronto, com verbas públicas e a fundo perdido disponíveis em Brasília, e sob o olhar complacente do Ministério Público que possui um TAC para vigiar este assunto por aqui. Kleber e Luiz Carlos não executaram um milímetro em favor do meio ambiente, da qualidade de vida e saúde dos gasparenses?

Então resta a Agapa continuar com o pires na mão. E não pode ser diferente pois é parte daquilo que ela de propõe fazer como entidade sem fins lucrativos. Ela tem uma causa, pois os cães e gatos continuam abandonados por quem deveriam ter consciência para não abandoná-los e abandonados, cuidar para não se multiplicarem e proliferarem doenças.

Eles ameaçam à saúde pública. E por que? Porque eles não fazem parte do planejamento de um governo municipal, onde até as prioridades essenciais de saúde física e emocional aos humanos foram deixadas de lado como se pode notar nos exemplos diários e citados.

A propaganda oficial e enganosa do governo esconde e subtrai um quadro real e grave.

Em tempo. Agropecuárias de Gaspar, na medida do possível até ajudam, mas essa não é a prioridade delas. E quem quiser adotar cães e gatos, ou doar rações, medicamentos ou serviços, é só entrar em contato com a Agapa de Gaspar nas redes sociais como o Facebook e Instagran esperam por adoção. Acorda, Gaspar!

Como o poder de plantão em Gaspar trabalha para desmoralizar o jornal e o portal Cruzeiro do Vale, esta coluna e este colunista, que não estão a serviço da propaganda eleitoral

Na coluna se segunda-feira, publiquei estas três notas na seção Trapiche, da coluna “Olhando a Maré” escrita especialmente para o portal Cruzeiro do Vale, o mais acessado em Gaspar e Ilhota, devido, principalmente à sua credibilidade e influência.

“O CRAS – Centro de Referência da Assistência Social – de Gaspar parece que está desativado, mas no fundo está “funcionando”. Ele está com as portas fechadas inibindo à procura de gente que necessita de ajuda. E faz tempo. A secretaria de Assistência Social é um ambiente frágil, numa cidade cheia de vulneráveis.

Enquanto isso, o CREAS – Centro Referência Especializado da Assistência Social – trabalha de portas abertas, exposto a riscos, mas acolhendo os necessitados. O CRAS que está fechado por grades, é a porta de entrada da comunidade no acesso à Assistência Social. Meu Deus!

Aliás o CREAS, o que está aberto, teve uma funcionária afastada por estar com suspeita Covid-19. Ela inclusive, na segunda-feira passada participou de um curso interno com 13 pessoas na Praça do Céu, e o temor é de que ela, se confirmado o diagnóstico, poder ter contaminado outros. Em alguns momentos esta servidora afastada, em ambiente de ar condicionado, outro perigo, circulou sem a máscara”.

A máquina de propaganda da prefeitura de Gaspar, disfarçada de assessoria de imprensa – leitora assídua daqui e que vive praguejando-a, pois não sabe como conter os fatos reais expressos neste espaço, reagiu. Fez bem. Publicou uma foto nas redes sociais do prefeito Kleber Wan Dall, MDB, visitando o CRAS do bairro Bela Vista. Relatou que naquele ambiente havia uma normalidade dentro das limitações impostas pela pandemia.

Meia verdade. É assim que funciona o governo. Aliás, o escritor e jornalista Artur Xexéo, no twitter perguntou: “por que é que deram de chamar mentiras de inconsistências?”

A INCONSISTÊNCIA DA ASSESSORIA, DO CANDIDATO E DO PREFEITO KLEBER

O que escrevi na terça-feira, dia 30 de junho, as 9h13min, rebatendo a foto que percorreu as redes sociais da prefeitura, do prefeito e seus apoiadores, que no fundo traziam uma resposta à minha coluna? CRAS DO SERTÃO VERDE CONTINUA COM GRADES PARA DISTANCIAR ATENDIMENTO EM COMUNIDADE COM GRAVES PROBLEMAS SOCIAIS

E qual o meu texto para este título acima? Depois de ler aqui na coluna sobre os defeitos da desassistência social em relação aos O CRAS- Centro de Referência da Assistência Social - que estão atendendo à meia boca em Gaspar, o prefeito Kleber Edson Wan Dall, MDB, foi a um deles e postou uma foto na sua rede social com o seguinte texto:

"Aqui no CRAS Casa da Família, no Bela Vista, e também nas outros, a maioria dos atendimentos continuam sendo feitos por telefone e whatsapp. Para quem precisa, também acontece até atendimento presencial com todos os cuidados previstos"

Repito o que escrevi. Nas fotos da semana retrasada e as da semana passada, mostravam o CRAS, Silvio Schramm, do Sertão Verde, totalmente fechado. Havia grades em suas portas frontais, as feitas para o público, o vulnerável, o que realmente precisa de ajuda e assistência neste caos econômico, social, emocional e de saúde, entrarem e serem atendidos, acolhidos.

Se o CRAS do Sertão Verde - uma área com visíveis problemas sociais - estava atendendo ao público, precisava ser um detetive para descobrir isso. As grades espantavam os clientes e denunciam o seu fechamento.

E para encerrar. O próprio prefeito confirma no seu texto sobre a foto que publicou, que a maioria dos atendimentos nos CRAS continua sendo feito por telefone e whatsapp. Ou seja, nem todos os serviços, e alguns essenciais, estão disponíveis. E que o atendimento presencial é quase uma exceção. Isto está sendo feito nos CRAS do Bela Vista e do Gaspar Mirim, mas no Sertão Verde.... Quando a esperteza é demais, ela come o dono. Acorda, Gaspar!

O que é feito dos dois projetos de resolução que reduziam 20% por apenas dois meses os salários dos vereadores e impediam o recebimento de diárias até o final do ano como contribuição para a crise econômica da Covid-19 em Gaspar?

Amanhã, dia de sessão na Câmara, esse projeto não está mais uma vez na pauta. Nem saiu das comissões. E fará três meses que o vereador Roberto Procópio de Souza, PDT, protocolou-os. Todos em silêncio, apesar da campanha eleitoral às portas

Já o que reajustou os vencimentos de políticos – incluindo prefeito, vice e vereadores – e servidores que até tiveram um ganho real de 1% em um ano de eleições – foi protocolado, analisado, aprovado e sancionado em uma semana

Este assunto não é novo aqui. Só aqui e por isso incomodam os políticos envolvidos.

Os leitores e leitoras da coluna sabem bem à razão pela qual ele foi para o fundo das gavetas da Comissão de Legislação, Justiça, Cidadania e Redação da Câmara de Gaspar, onde o próprio autor dos projetos, o vereador e advogado Roberto Procópio de Souza, PDT, é presidente.

É o voto dele, com os dois do governo na Comissão (Franciele Daiane Back, PSDB e Francisco Hostins Júnior, MDB, também advogado), que vai dizer se os PRs devem prosseguir ou não. Os da oposição, incluindo o relator geral de um deles Dionísio Luiz Bertoldi e Rui Carlos Deschamps, ambos do PT, já se mostraram favoráveis. E Roberto com isso, ficou numa sinuca de bico.

E quem criou esta sinuca? O próprio Roberto. Ele já foi o articulador da oposição contra o governo de Kleber Edson Wan Dall, MDB. Hoje é seu maior defensor na Câmara. O governo é contra as propostas de redução feitas por Roberto, porque se elas forem adiante, obrigariam Kleber rever parcial e simbolicamente o seu alto salário de R$27.356,69, como fizeram outros prefeitos da região e com salários bem mais baixos.

A teimosia de Kleber neste assunto já lhe tirou eleitores.

A maioria dos vereadores acha que foi um oportunismo político de Roberto Procópio de Souza em ano de campanha eleitoral. Ele nega. Entende essa maioria, que a proposta deveria ter sido construída coletivamente. E para disfarçar esse ciúme, achou-se um pelo no ovo: a tal inconstitucionalidade da proposta. Ela justificaria pela lei e não pelo discurso, os vereadores não mexerem nos seus bolsos, enquanto muita gente – que sustenta os salários dos vereadores e as despesas da Câmara – está se desempregando ou falindo.

Por outro lado, a mesma inconstitucionalidade que vereadores e técnicos invocam em Gaspar para mandar para o arquivo a proposta de Roberto, não se aplicou em centenas de outras Câmaras Brasil a fora. Houve acordo em favor de um Brasil melhor.

Está mais do que na hora dos vereadores de Gaspar baterem o martelo neste assunto. Foram eles que arrumaram o problema. Quanto mais cozinham o galo e protelam jogar essa ossada fora, as eleições se aproximam. Os respingos indesejáveis serão inevitáveis.

O silêncio do presidente Ciro André Quintino, MDB, sobre este assunto, diz tudo. Ele é corporativo. É populista. Ele sabe escolher a onda para surfar. Muito recentemente, Ciro ajudou patrocinar aos vereadores um disfarçado curso preparatório para os candidatos à reeleição. Tudo com dinheiro público. Pego com a mão na cumbuca, fingiu que não era com ele. Sabe que o povo tem memória curta. Os vereadores pegos no erro, silenciaram-se. Incrível!

AUMENTO À VISTA

Ciro nega. Alguns vereadores negam, mas na Câmara corre em voz muito baixa outra ideia que terá que ser escondida até os resultados das eleições de novembro. É o aumento dos salários dos vereadores, do prefeito e vice para a partir de janeiro de 2021.

A proposta viria do Executivo. Há vereador com uma listinha comparativa com outros municípios daqui da região. Ela, em tese, segundo esses vereadores e assessores, provaria que os salários dos vereadores de Gaspar, é um dos menores. Quando em campanha, eles dizem que o salário é uma coisa que nem passa pela cabeça deles. Mas, passa, sim. E como!

Então... Os projetos de Resolução do vereador Procópio dificilmente avançarão se ele não quiser, pois dependem unicamente do voto dele na comissão. E no plenário, como o voto é aberto e estamos em pré-campanha, corre-se o risco de se conhecer os corajosos e os fingidos. E quanto ao aumento dos salários para os próximos quatro anos? O tempo será o senhor da razão. Agora é tempo de negação. Acorda, Gaspar!

TRAPICHE

Gaspar ganhou dez respiradores novinhos do governo do Estado. Depois da vergonhosa disputa pelo pai das crianças em ano eleitoral entre os políticos daqui, sabe-se que os que estão na UTI da Covid-19, criada emergencialmente do Hospital de Gaspar, são tecnologicamente inferiores.

Ou seja, os dez novos respiradores não podem ir para a UTI emergencial para melhor salvar as pessoas por questões contratuais. Os melhores ficam para os que não estão na UTI do Hospital. Burocracia e negócios contra a vida dos cidadãos doentes, vulneráveis, atrás tratamento e saúde. Acorda, Gaspar!

O Hospital de Gaspar ganhou da JBS, empresa que adquiriu parte das operações da Bunge em Gaspar, um tomógrafo computadorizado no valor de R$900 mil. Um avanço. Uma operação intermediada pelo ex-executivo da Bunge, Sérgio Roberto Waldrich. O que faltou dizer à comunidade? Que o tomógrafo não vai funcionar do dia para a noite como discursam por aí alguns políticos em campanha – e até espertamente empresários apoiadores dos que estão no poder de plantão.

Primeiro será preciso um lugar isolado, escolhido e especialmente preparado para ele no Hospital de Gaspar que ninguém sabe quem é o dono dele e que não presta contas à comunidade, apesar de estar sob intervenção municipal. Este processo de implantação do aparelho vai levar tempo. Segundo, será preciso gente – médicos e técnicos - especializada para operá-lo e interpretar as imagens. Isso ainda está em falta ao Hospital. Acorda, Gaspar!

Faça-se a luz. Um dos primeiros atos do recém empossado prefeito Kleber Edson Wan Dall, MDB, de Gaspar, foi pedir na Câmara um aumento de 40% da Taxa de Iluminação Pública para melhorar o que se estava crítico. Um aumento absurdo para uma inflação que beirava aos 5% ao ano. Muita discussão na época.

Hoje, e quase ao fim do governo Kleber, a situação da iluminação nas ruas de Gaspar continua tão crítica quanto antes do aumento expressivo da TIP. E não foi o ciclone bomba de terça-feira a tarde que fez escurecer os postes da cidade. Acorda, Gaspar!

Quando escrevi aqui de que a recuperação da parte da Rua Nereu Ramos que desbarrancou para o Rio Itajaí Açú ali perto da curva da ex-Churrascaria Líder, era algo provisório, os políticos que defendem o atual governo, ensaiaram desmentidos nas entrevistas e nos discursos na Câmara.

Agora, Kleber lançou edital para fazer a recuperação definitiva. Então! Nada como um dia após o outro. Acorda, Gaspar!

Em tempos de eleições, o importante é não mexer em regalias. Na última sessão da Câmara o prefeito Kleber Edson Wan Dall, MDB, pediu a retirada de pauta do PL 21/2020. Como não era possível, depois de suspensa a sessão para discutir esse assunto do ponto de vista regimental, ele acabou sendo retirado não só da pauta, mas da Câmara. O PL instituía o cartão de pagamentos do município. Ou seja, comprou, comprovou, pagou e prestou contas. Simples assim.

Mas, tinha uma pegadinha não resolvida. Ela afetaria diretamente às regalias constituídas pelas diárias de políticos e servidores. Se você viaja para qualquer lugar, você ganha diária, mesmo que não a gaste nada ou na sua totalidade. Basta comprovar que viajou. Com o cartão, o ressarcimento, iria se dar pela despesa real, a menor nas maioria das vezes do valor da diária. E se as despesas fossem maiores? Valeria o teto.. Então.... Acorda, Gaspar!

De lixo, o PT entende e os Bertoldis, também. Afinal, foi na gestão de Pedro Celso Zuchi que inventaram do dia para a noite a Say Muller, quando Lovídio Carlos Bertoldi foi presidente do Samae. Agora, o irmão Dionísio Luiz quer saber da gestão de Kleber Edson Wan Dall, MDB, como se deu mais um improviso da administração com contratação emergencial da noite para o dia da Vitaciclo Logística Reversa.

Dionísio pediu por requerimento na Câmara ao prefeito Kleber, as cópias integrais de todos os documentos que compõem o processo de dispensa de licitação, desde o Termo de Abertura até o contrato e seus aditivos. Ele quer saber se foi Vitaciclo que apresentou o menor preço por tonelada. Também pediu as planilhas de custos da coleta do resíduo orgânico dos anos de 2017/2018/2019, que serviram de base para contratação do processo oriundo da Dispensa nº 005/2020. Acorda, Gaspar!

A vida do candidato a vice-prefeito de Kleber Edson Wan Dall, MDB, Marcelo de Souza Brick, PSD, não está nada fácil. Agora, ele deu para aparecer como papagaio de pirata nas fotos do gabinete de Kleber. Mas, na ponta da mesa. E por causa disso, invariavelmente, ele é cortado do cenário pela própria assessoria da prefeitura. Imagina-se como será a vida da dupla se eleita.

“O fator Zuchi para o PT” foi o tema da coluna Olhando a Maré escrita especialmente para a edição impressa de sexta-feira do jornal Cruzeiro do Vale, o mais antigo, o de maior credibilidade em Gaspar e Ilhota. Polemizou. Não era para menos. Zuchi e o PT foram atores expressivos na política e na administração de Gaspar. O que ficou claro, nos comentários no Facebook do jornal? O PT é o problema para o ex-prefeito de três mandatos, Pedro Celso Zuchi salvar a si e o partido.

Consternados, alguns defensores de Zuchi tentaram até dissociar o político das manchas e o jeito de ser do partido com os escândalos de Lula e Dilma. Justificavam, publicamente, à possibilidade de se votar nele outra vez. Mas uma pergunta de Demetrius Wolff, DEM, bolsonarista roxo, faz do argumento, pó: “se Zuchi ganhar, quem ele vai trazer para administrar Gaspar e a prefeitura?” E Demetrius respondeu na lata e naquilo que é óbvio: “gente do PT”. Faltou acrescentar, gente desempregada e faz tempo... Acorda, Gaspar!

Hábitos, verdades e egoísmos ultrapassados de gerações. Em 1990 a pergunta era: por que preciso usar cinto de segurança? Em 2000, a pergunta indignada era: por que não posso fumar em ambiente públicos fechados? Em 2020, a pergunta reiterada é: por que tenho que usar máscara em ambientes públicos em tempo de pandemia? Os indivíduos não respeitam os interesses coletivos.

Um recorde da gripezinha. Estamos caminhando firmes para ultrapassar esta semana as 70 mil almas brasileiras que se tornarão uma triste estatística. As cenas da incompreensão para a proteção não se tratam de uma mera irresponsabilidade que se viu nas fotos dos políticos deste final de semana, mas da irracionalidade (de humanos). Eles merecem os nossos votos se contribuem para disseminar a doença que mata os seus eleitores?

Se você olhar as redes sociais locais, quatro fatos estão claros: os políticos estão promovendo reuniões, almoços e jantares com poucas ou muitas pessoas em ambientes privados e públicos. Até mesmos os que se dizem eleitos arregaçaram as mangas. A máquina de votos da prefeitura de Gaspar está a pleno vapor e até está se coligando com sindicatos; e tem gente, principalmente os mais novos e ansiosos, constituindo provas de crime eleitoral na internet contra velhos e poderosos que tentam continuar no poder de plantão.

O PSL de Gaspar lamentou o acometimento da Covid-19 ao governador Carlos Moisés da Silva, PSL. Tinha um encontro na quinta-feira passada em Blumenau para acertar ponteiros. Na terça-feira o pessoal do PSL daqui ruma para Blumenau. Desta vez para se reunir com o deputado Ricardo Alba, PSL. El patina na candidatura dele à prefeitura dele por lá. E por aqui, quer influenciar.

Mais uma vez sai na frente e estou de alma lavada. O que escrevi da seção Trapiche da coluna da sexta-feira, feita especialmente para a edição impressa do jornal Cruzeiro do Vale, 30 anos de circulação e credibilidade em Gaspar e Ilhota?

"Afogando-se. O MDB está com problemas. Prometeu candidaturas de vereadores para manter as filiações. Agora está fazendo uma peneira no próprio partido e nos coligados. O chororô é grande. As preocupações também".

Pois bem. O poder de plantão foi tomado por um susto com a repentina declaração nas redes sociais de pré-candidatura de um contumaz puxa-saco seu, a quem o poder já se tinha pedido comedimento. Qual a razão do susto? O agora pré-candidato é um assusta votos da coligação. Já gerou problemas para o poder de plantão com as suas atitudes de defensor incondicional de tudo, inclusive do erro.

E o porquê do anúncio do pré-candidato? Simples! É para preservar os empregos dos filhotes nos tentáculos do poder de plantão. Ou seja, demonstra fidelidade e com isso fecha a porta para qualquer outro sacrifício, que não seja o dele próprio em "abrir" mão da candidatura eu o poder de plantão não a quer, pois precisa de gente com votos.

O certo mesmo seria o pré-candidato ir até o fim, para conferir a massa de votos que diz ter e principalmente influenciar. Eu me lembro de um cara boa praça, de verdade, amigo de todos, que todos por aqui falavam em rei de votos quando fosse candidato a alguma coisa.

E quando se abriram as urnas para o candidato a prefeito Dario Beduschi, pelo PTB, ele teve exatos 147 votos. A cidade não acreditou. Nem ele, na tamanha ingratidão, injustiça e traição daquela eleição do ano de 2000. Quem não se lembra disso estupefato?

Naquele ano venceu Pedro Celso Zuchi, PT, com 6.779 votos, contra 6.595 dados a Francisco Hostins, já de volta ao seu PP e apoiado por parte do MDB; 5.418 a Luiz Fernando Poli, PFL; 4.209 a Adilson Luiz Schmitt, MDB; 1977 a Mário César Pera, PSDB; e 542 votos a Maria Terezinha Ramos, PDT. No âmbito da disputa da vereança, essas histórias de gente com votos que teve uma mixaria dele, encheriam páginas do jornal. Acorda, Gaspar!

 

 

Comentários

Herculano
06/07/2020 16:20
COVID-19 em Gaspar

As fotos que circulam nas redes sociais e aplicativos de mensagens, mostram que se aglomeram pessoas - para além do normal - a espera de teste da Covid-19 no posto Central.

O tempo de espera por um teste pode superar as três horas.

No Hospital, o plantão do Pronto Atendimento é para dois médicos. Novamente, neste final de semana, segundo testemunhas, só havia um.

E hoje pela manhã no Posto Central, o prefeito Kleber Edson Wan Dall, MDB, soube dessa informação de viva voz, mas disse que a desconhecia. Acorda, Gaspar!

Herculano
06/07/2020 16:03
MANCHETES QUE SE ENTRELAÇAM

1. PPT de Gaspar prende traficante de drogas no bairro Coloninha

2. Homem é assassinado com tiro na cabeça no bairro Coloninha, em Gaspar
Herculano
06/07/2020 14:17
GUEDES INVENTA PRIVATIZAÇõES NO MODELO ZÉ KETI, por Josias de Souza.

"Teremos três ou quatro grandes privatizações nos próximos 60 ou 90 dias", anunciou Paulo Guedes na noite de domingo (5), em entrevista à CNN Brasil. Sob uma aparência de novidade, o ministro da Economia repete um espetáculo encenado ano passado, só que piorado. É o modelo Zé Keti de privatizações.

A coisa se baseia no lema "este ano não vai ser igual àquele que passou." Todos logo percebem que o tempo das privatizações de Guedes não passa. Já passou. E o ministro reitera a lorota. Ainda não notou. Mas já não há "mais de mil palhaços no salão" dispostos a lhe dar crédito.

Em agosto do ano passado, discursando num evento em São Paulo, o ministro dissera: "Tem gente grande aí que acha que não será privatizada, mas vai entrar na faca".

No dia seguinte, o governo apresentou uma lista de 17 estatais a serem vendidas, das quais oito já estavam na vitrine. Espremendo-se a relação, sobraram nove novidades. Algumas delas - Correios, Telebrás, Serpro e Dataprev, por exemplo - desceram ao balcão sem estudos sobre o modelo de venda.

Na semana passada, o secretário de desestatização do Ministério da Economia, Salim Mattar, anunciou que o governo deseja privatizar pelo menos 12 estatais. Citou seis logomarcas daquelas que deveriam ter sido vendidas em 2019. E informou que serão privatizadas não neste ano, mas apenas em 2021.

Quer dizer: em lances de garganta, Paulo Guedes passa na faca "três ou quatro grandes" estatais com uma facilidade inaudita. No mundo real, o ministro lida com cerca de 140 estatais federais fantasiado de canivete cego.

Neste domingo, Guedes apontou a faca para Correios, Caixa e os setores elétrico, de água e saneamento, de petróleo, de gás e de navegação de cabotagem. Esqueceu de mencionar que parte dos negócios depende de autorização do Congresso.

Antes do Carnaval de 2021, a equipe do Posto Ipiranga entoará a velha marcha: "Este ano não vai ser igual àquele que passou." E os palhaços, num uníssono cético: "Hã, hã..."
Herculano
06/07/2020 14:03
VAIVÉM EM GABINETE DE BOLSONARO INDICA UMA SUJEIRA MUITO MAIOR, por Leandro Colon, diretor da sucursal de Brasília do jornal da Folha de S. Paulo

Guinada de tom do presidente após prisão de Queiroz não deve ser apenas por causa de Flávio

Desde a prisão de Fabrício Queiroz, Jair Bolsonaro baixou a guarda, moderou sua verborragia, e, num sinal de inflexão, buscou reduzir a tensão com os demais Poderes.

Segundo as investigações do Ministério Público do Rio, Queiroz era o homem chave do esquema das "rachadinhas" do gabinete de Flávio Bolsonaro na Assembleia.

Descobriu-se um cheque de R$ 24 mil de Queiroz à primeira-dama, Michelle. Bolsonaro, em sua defesa, diz que o dinheiro é parte de um empréstimo de R$ 40 mil que fez ao ex-assessor do filho.

O presidente nunca explicou direito essa tal dívida nem as razões que levaram Michelle a receber o cheque.

Queiroz conhece Bolsonaro desde 1984. O PM aposentado seria muito mais ligado a ele do que ao filho Flávio.

A história mal contada sobre o cheque abre brechas para interpretação de que o presidente também se beneficiou das rachadinhas, prática nefasta de desvio de parte dos salários dos gabinetes.

Um trabalho de reportagem exaustivo publicado pela Folha neste domingo (6) indica que essa maracutaia com verba pública passou de pai para filho.

Os repórteres Ranier Bragon e Camila Mattoso analisaram nos últimos meses os boletins de movimentação de 28 anos do gabinete de Bolsonaro nos tempos de deputado.

Eles descobriram ao menos 350 trocas em um vaivém frenético e desarrazoado.

Do dia para a noite, salários de servidores eram dobrados e quadruplicados. Em seguida, reduzidos a menos da metade.

Um dos personagens é filha de Queiroz. ?O recorde de movimentações, com 26 vaivéns, é de Walderice Santos da Conceição, a Wal do Açaí, funcionária fantasma que veio à tona pela Folha na campanha de 2018.

A guinada de tom dada por Bolsonaro após a prisão de Queiroz é um movimento político de proteção ao filho.

E as informações reveladas sobre seu gabinete na Câmara são um indicativo de que a sujeira pode ser muito maior.
Herculano
06/07/2020 13:59
PERGUNTA NECESSÁRIA

Os que pegaram o Auxílio Emergencial do governo Federal sem precisar, estão patrocinando almoços e jantares políticos - sem a devida proteção e burlando a recomendação oficial local - em favor dos seus candidatos a prefeito? É isso? É o vale tudo a favor de uns e o é proibido tudo, para outros. Acorda, Gaspar!
Herculano
06/07/2020 13:44
FUNCIONÁRIA DO CREAS COM COVID

Na semana passada comentei este caso quando relatava o que expressei hoje novamente em "Como o poder de plantão em Gaspar trabalha para desmoralizar o jornal e o portal Cruzeiro do Vale, esta coluna e este colunista, que não estão a serviço da propaganda eleitoral"

Uma funcionária da secretaria da Assistência Social de Gaspar, que ministrou curso no CREAS na semana passada, confirmou que está com Covi-19.

Na área onde atuava, há apreensão pela contaminação interna e externamente. Em Gaspar, o protocolo não faz testes preventivos em funcionários com contatos com o público.

Miguel José Teixeira
06/07/2020 13:44
Senhores,

Revisitando "Diários de Motocicleta"

"O Congresso do Peru aprovou na noite de ontem, em primeira votação, um projeto que acaba com a imunidade parlamentar - e vale também para presidente, ministros e membros do Judiciário."
(texto replicado abaixo)

Bom. . .os peruanos são descendentes dos INCAS.

Nós, Tupiniquins, somos dominados pelos INCApazes.

Porém, esPerTalhões. E botem esPerTalhões ni$$O!
Herculano
06/07/2020 13:34
COMO FUNCIONAM OS POLÍTICOS CONTRA OS SEUS CIDADÃOS, MAS PRESERVANDO OS SEUS INTERESSES PARTIDÁRIOS E DISCURSOS ELEITORAIS EM ANO DE CAMPANHA

O município de Governador Celso Ramos, na Grande Florianópolis, foi um dos mais atingidos pelo pelo tal ciclone bomba. Mereceu até uma sobrevoada relâmpago no sábado do presidente Jair Messias Bolsonaro, sem partido.

O prefeito de lá, Juliano Duarte Campos, PSB, está nos palanques, redes sociais e na imprensa reclamando o suposto abandono do governo do Estado com a cidade e os cidadãos de Governador Celso Ramos.

Mas, Governador Celso Ramos que estima ser algo em torno R$ 100 milhões para recuperar a cidade, ou seja, não é pouco, até agora não procedeu a nenhum levantamento sério e nem atendeu à lei que institui a PNPDEC (Política Nacional de Proteção e Defesa Civil) prevê que os municípios atingidos repassem as informações para os governos federal e estadual por meio do S2ID (Sistema Integrado de Informações de Desastres), segundo uma nota da própria Defesa Civil catarinense.

As "autoridades" de Governador Celso Ramos mandaram apenas um ofício protocolar, nele dizendo que os estragos foram grandes. Mas, quanto, onde etc e tal, nada.

Isto mostra como funciona a prefeitura - e parece sem comando - de lá. Controle, transparência e responsabilidade com os impostos dos brasileiros e catarinenses que é quem vão ajudar os de Governador Celso Ramos a se recuperarem parcialmente, parecem que é letra morta para quem dirige a cidade.

Olha só o tamanho e até sintomático do buraco: Governador Celso Ramos, tem 294 comissionados (para 15 mil habitantes). Florianópolis (com 501 mil habitantes), muito, mas, muitas vezes maior do que Governador Celso Ramos, 317.

Então falta de gente para fazer o levantamento em Governador Celso Ramos para a Defesa Civil e cumprir a legislação para ver ressarcida dos prejuízos, certamente não é. Vergonha.
Herculano
06/07/2020 12:54
da série: a Justiça injusta do Brasil

RESSURGE A ANISTIA AMPLA, GERAL E IRRESTRITA PARA A CORRUPÇÃO POLÍTICA, por Andrei Meireles, em Os Divergentes

Querem por um jabuti na emenda sobre o cumprimento da pena a partir da condenação em segunda instância que simplesmente passa uma borracha nos crimes cometidos até agora.

Tem uma banda podre na política que não desiste da busca de uma certidão de impunidade para os crimes em que são acusados, principalmente os de corrupção. Faz tempo que tentam uma brecha para isso. A meta dessa turma agora é incluir na emenda constitucional que restabelece a possibilidade de prisão a partir da condenação em segunda instância uma ressalva que muda tudo.

A intenção é simplesmente passar uma borracha sobre a Lava Jato e todas as outras investigações, processos e condenações, por corrupção e outros crimes, nas duas instâncias da Justiça com atribuição legal de julgar o mérito das ações. A proposta costurada por líderes e parlamentares com rabo preso é que a nova legislação passe a valer apenas para futuros casos de corrupção.

Na prática, em um sistema de justiça com recursos sem fim, é uma verdadeira anistia ampla, geral e irrestrita para a corrupção. Alguns líderes ligados, por causa própria, há tempos defendem uma solução desse tipo. Sempre acompanhados da torcida de políticos de muito mais peso que caíram na rede da Lava Jato, mas não querem passar recibo. Algumas ex-estrelas, como Aécio Neves, Renan Calheiros, caciques do PT e de outros grandes partidos fracassaram em suas investidas no passado.

A oportunidade que eles veem agora é o namoro do presidente Jair Bolsonaro com o Centrão. Um dos preços óbvios dessa aliança é engavetar propostas que avancem de fato no combate à corrupção. Até porque o clã Bolsonaro com suas rachadinhas tem problema de sobra nesse quesito. A demissão de Sérgio Moro do Ministério da Justiça e da Segurança Pública escancarou a porta para o sucesso desse flerte.

Como sempre, esse jabuti vem escondido em um discurso evasivo da necessidade de abreviar os julgamentos na Justiça com o respeito a regras como a de que a punição não deve ser retroativa. Mas ela vigorou durante anos, autorizada pelo STF, e serviu inclusive de modelo para a Lei da Ficha Limpa. Foi revogada pelo confuso voto de desempate do ministro Dias Toffoli no Supremo Tribunal Federal, que devolveu a bola para o Congresso Nacional.

Para a parcela dos políticos que no primeiro momento comemorou a decisão do STF, a ficha só caiu quando a opinião pública captada pelas redes sociais e pesquisas passou a pressioná-los para restabelecer a possibilidade de prisão a partir da condenação em segunda instância. Raros os que em público se manifestaram contra. Nos bastidores, continuaram conspirando com o propósito de transformar o limão em limonada.

É difícil dimensionar o tamanho dessa articulação. No modo virtual em que o Congresso está funcionando é fácil vender gato por lebre, principalmente na Câmara, com seus 513 deputados federais. O Senado nesse caso é mais previsível. A tendência lá é pela rejeição dessa anistia torta.

A conferir.
Herculano
06/07/2020 12:41
da série: o Perú desmoraliza o Brasil - inclusive dos Bolsonaros - e vai atrás dos seus corruptos para puni-los

CONGRESSO PERUANO APROVA FIM DA IMUNIDADE PARA PARLAMENTARES E PRESIDENTE

Conteúdo de O Antagonista. O Congresso do Peru aprovou na noite de ontem, em primeira votação, um projeto que acaba com a imunidade parlamentar - e vale também para presidente, ministros e membros do Judiciário.

A votação aconteceu horas depois de o presidente do país, Martín Vizcarra, anunciar que pretendia levar a proposta a um referendo em janeiro do ano que vem, junto com as eleições gerais no país.

No último sábado, o Parlamento peruano rejeitou uma proposta encaminhada por Vizcarra que acabava com a imunidade dos parlamentares, mas não do presidente da República.

A votação de domingo foi considerada, portanto, uma resposta dos congressistas ao presidente do Peru. O projeto teve 110 votos favoráveis, 13 contrários e nenhuma abstenção. A votação final deve acontecer ainda hoje.

Sergio Moro, no Twitter, elogiou a decisão dos parlamentares peruanos.

"O Peru, onde a Lava Jato teve grande repercussão, é um dos países que mais têm avançado na agenda anticorrupção", tuitou o ex-ministro da Justiça.
Herculano
06/07/2020 12:03
CORRA! O NOVO CANAL DE VENDAS É A LIVE! por Ronaldo Lemos, advogado, diretor do Instituto de Tecnologia e Sociedade do Rio de Janeiro, no jornal Folha de S. Paulo.

O principal truque é justamente não parecer um vendedor, mas sim um amigo

Abra os olhos e os ouvidos. O novo canal de vendas que despontou em meio à pandemia são as lives.

O fenômeno não é novo. Para quem acompanha a China, sabe que o "livestreaming" virou uma das principais formas de vender produtos no país. Eu mesmo, na série "Expresso Futuro China", fiz um episódio dedicado a esse novo fenômeno, mostrando essa modalidade poderosa de fazer comércio.

Os números impressionam. Pegue, por exemplo, o jovem multimilionário chinês Jiaqi Li, apelidado de "rei dos batons". O garoto de 27 anos testa batons nele mesmo ao vivo e já conseguiu a façanha de vender 15 mil tubos em cinco minutos. Ele tem hoje cerca de 40 milhões de seguidores no DouYin (versão chinesa do TikTok) e é considerado um dos mestres dessa nova linguagem.

Com a pandemia, a ampliação da atenção com as lives explodiu, tanto no Brasil como na China. Hoje em dia tem até gente que diz que "live boa era antes, hoje é muito popular". O que só prova a centralidade desse novo formato de comunicação.

Isso se reflete nos números. Estimativa da consultoria iiMedia aponta que as vendas por comércio eletrônico por meio de lives vão bater US$ 129 bilhões neste ano na China.

Engana-se quem acha que as lives são um canal para vender só produtos de varejo mais conhecidos. Uma outra influenciadora chinesa, chamada ViYa - com 18 milhões de seguidores -, vendeu um kit completo de lançamento de foguetes por US$ 5,6 milhões em uma live, úteis para o lançamento de microssatélites em órbita.

As lives são a nova encarnação dos canais de venda da TV (vai aí uma faca Ginsu ou meias Vivarina?). Só que muito mais sofisticados.

Nenhum vendedor de live age sozinho. Ele carrega e cultiva seus próprios animadores de audiência, que agitam as pessoas para comprar mais. Trabalham também com modelos agressivos de "marketing de afiliados".

Além disso, o principal truque de vendas é justamente não parecer um vendedor, mas sim um "amigo". Quanto mais espontâneo, melhor. Tudo precisa ser divertido. Ninguém compra nada de gente chata.

Como já dizia o brilhante Doc Searls no manifesto Cluetrain, "mercados são conversas". Ao entender isso, os vendedores de livestream conseguem despertar todas as ansiedades da internet, como o FOMO (fear of missing out) - medo de perder oportunidades -, para criar um senso de urgência e vender mais e mais rápido.

Na China, até Xi Jinping já fez uma homenagem aos vendedores "ao vivo", especialmente porque a modalidade tem sido usada para vender produtos rurais, como laranjas e hortaliças, nas regiões mais pobres do país.

No Brasil, o fenômeno já está entre nós. Influenciadores de primeira linha como Nathalia Arcuri e Rafa Brites já usam o livestreaming como um canal de vendas, no caso, para cursos de educação financeira e de desenvolvimento profissional. O resultado é impressionante.

Se você tem vocação para vendas, é hora de abrir o seu canal de vendedor live. Faça isso logo, vá correndo! É uma chance única, imperdível, faça isso agora, é incrível, corra, já! Antes que acabe!?

READER
Já era?
Vender produtos pela televisão

Já é?
Vender produtos por páginas no Instagram

Já vem?
Vender produtos por lives
Herculano
06/07/2020 11:57
da série: um gasparense no ministério da Educação? Hábil ele é - e muito - no trato político (mudou até de partidos) para ocupar cargos. Como professor e técnico em educação é também reconhecido. Resta saber se o gado ideológico olavista permitirá essas mutações do passado dele.

FEDER 'DECLINA' E DESCHAMPS LIDERA AS APOSTAS, por Cláudio Humberto, na coluna que publicou hoje nos jornais brasileiros

O temor de ser novamente descartado levou o secretário de Educação do Paraná, Renato Feder, publicar post "declinando" do Ministério da Educação. Ele já havia aceitado o convite, em conversa ao telefone com o presidente Jair Bolsonaro, quinta (2). Mesmo avisado de que a Agência Brasileira de Inteligência (Abin) ia averiguar sua "ficha", Feder preferiu evitar um novo vexame. Ressurge com força o nome do ex-secretário de Educação do governo de Santa Catarina, Eduardo Deschamps.

SAÍDA HONROSA

Com a demora em ser anunciado, Renato Feder se convenceu de que estava fora e tentou criar uma narrativa para não ser "chutado" outra vez.

PENDÊNCIA DE ICMS

O problema é que a Abin detectou problemas da empresa de Feder com a Justiça, em um caso se acusação de suposta sonegação de ICMS.

CONTRATOS FEDERAIS

A empresa Multilaser tem contratos com o governo federal, o que também poderia ser alegado contra ele pela oposição.

GATO ESCALDADO

O caso Decotteli, que falsificou o seu próprio currículo, fez de Bolsonaro "gato escaldado", daí a necessidade de checar a ficha de indicados.

ANEEL USA COVID E O D?"LAR PARA AJUDAR 'PARCEIRAS'

A crise se agrava, mas a agência "reguladora" de energia elétrica Aneel continua agindo como parceira de empresas e distribuidoras, em vez de regular em benefício do consumidor que a sustenta. Após a demagogia de proibir o corte de luz de famílias de baixa renda, por falta de pagamento na pandemia, liberou aumento na conta para "compensar as perdas". Como outras agências, usou a antiga lorota: "a alta no dólar".

HISTóRIA CONHECIDA

Como acontece com os combustíveis, a Aneel deve fazer vista grossa e quando a pandemia passar e o dólar cair, não haverá redução na tarifa.

É UMA MÃE

Além de autorizar os aumentos, a Aneel sinaliza com empréstimo de até R$16 bilhões para dar "alívio" às distribuidoras pela queda na demanda.

PARCERIA PROFÍCUA

Entre 2002 e 2009, governo Lula, distribuidoras cobraram R$7 bilhões a mais do que deveriam dos consumidores e ficou tudo por isso mesmo.

CAPITÃO É QUEM MANDA

Insistiu-se na lorota, na escolha do titular do MEC, de que os militares exigem ser "consultados". Mal sabem que, no atual governo, militares não dão palpites, nem indicam ministros. Eles apenas batem continência.

PLANTÃO PERMANENTE

Parlamentares ávidos por cargos nos estados têm assediado o general Braga Neto, ministro da Casa Civil. Paciente, ele os recebe e atende ligações até altas horas, mas adverte: quem decide é o presidente.

ESTA ELEIÇÃO É INADIÁVEL

A Câmara elege, nesta segunda (6), o 3º secretário da Mesa Diretora, após saída de Fábio Faria (PSD-RN), nomeado ministro. A vaga é do PSD. O 3º secretário gerencia licenças médicas e viagens de deputados.

CONVERSA MOLE

Comentaristas de TV fechada, claramente carentes de fontes, continuam recorrendo a truques como "ala militar" ou "ala ideológica" para confirmar a desinformação observada pelo ministro Augusto Heleno (GSI).

ATIVISTAS PRESOS. JÁ O PCC...

Sobre a prisão de bolsonaristas, a procuradora Thaméa Danelon recomenda analisar "crimes de fato graves" que exigem prisão. Afinal, este é o País cuja Justiça solta bandidos do PCC alegando "pandemia".

SEGUIDORES

Os seguidores do chanceler Ernesto Araújo no Twitter variam de deputados a militantes, autoridades internacionais etc., mas também os ex-ministros da Saúde, Luiz Mandetta, e da Justiça, Sérgio Moro.

MÁQUINAS A POSTOS

A reabertura gradual da economia em várias cidades e estados iniciadas este mês teve impacto direto na indústria. Segundo a FGV, houve alta de 15,2 pontos no índice de confiança do setor, o maior da série histórica.

NA ONDA DA PANDEMIA

Levantamento da plataforma Inteligov mostra que os parlamentares de todas as esferas do Legislativo estão loucos pelos holofotes do covid: apresentaram 6.325 projetos relativos à pandemia, até agora.

PENSANDO BEM...

...é melhor Jair sentando pra conversar.
Herculano
06/07/2020 11:49
QUAL O SIGNO DE QUEM DEFENDE MÁSCARA PARA CORONA DURANTE O SEXO, por Luiz Felipe Pondé, filósofo e ensaísta, no jornal Folha de S. Paulo

Partilho aqui algumas pequenas ideias que considero úteis nesse mundo dos sofrimentos afetivos contemporâneos
Você acredita em astrologia? Eu não. Mas as mulheres acreditam, logo, isso é o que importa. E mais: em épocas em que todo mundo virou um cientista de ocasião, não vejo razão para não arriscar uma carreira tardia na ciência dos astros.

Nas minhas recentes pesquisas em astrologia, percebi que um dos campos em que há mais precisão "científica" na área é a dos perfis sexuais. Partilho aqui algumas pequenas ideias que considero úteis nesse mundo dos sofrimentos afetivos contemporâneos.

Talvez os perfis básicos e as frases que dizem logo após o sexo possa ajudar você a se encontrar no amor, por que não?

Pessoas nascidas sob o signo de áries são conhecidas por serem más, cruéis e violentas. As controvérsias teóricas acerca do seu comportamento sexual vão de um oposto a outro: alguns dizem que é o signo que menos sente falta de sexo, outras dizem que, após o sexo, o ariano, a ariana ou x arianx (neste assunto, gênero é essencial, mas, nos próximos signos, vou simplificar porque todo saco tem limite) diz: "você de novo?!".

Já o taurino, conhecido por ser escravo da luxúria, da comida e da bebida, é reconhecido como sendo aquele que, logo após o sexo, olha de um lado para o outro e diz: "vamos pedir uma pizza!".

Geminianos, internacionalmente conhecidos por terem duas caras, após se deliciarem com o objeto humano ao seu lado, se lembram de dizer algo (para outras pessoas, algo essencial num relacionamento, mas para o geminiano nem tanto) que é: "agora vamos conversar?".

Cancerianos são o tipo que mais chora no zodíaco. Quando não está chorando é porque está doente. Conhece uma pessoa, chora, acaba transando e, assim que acaba, olha dos olhos dela e diz: "vamos casar amanhã?".

E leão? Ah, leão. Centro do zodíaco, se não se achar o centro do universo, desmancha como pó. Evidentemente que, após o sexo, nosso leonino olha nos olhos da feliz parceira que teve a bênção do universo de conhecê-lo e diz: "eu sei que para você foi o melhor sexo do mundo, nem precisa me dizer".

O que dizer dos virginianos e virginianas? Sofredores em nome da ordem, da limpeza, das previsões estratégicas, durante o sexo já ficam atentos para que nenhum movimento desarrume em demasia a cama ou o quarto. Virginianos se apegam à ordem de um quarto mesmo que tenha entrado nele pela primeira vez cinco minutos antes. Por isso que, após o sexo, essa coisa melada, suja e cheia de odores, a primeira coisa que diz é: "tenho que lavar esse lençol!".

Librianos são conhecidos por serem confusos, indecisos, e promíscuos no sexo. Num grupo, costuma ser a pessoa mais rodada do pedaço. Após uma dessas rodadas, sua frase seria, talvez, algo como: "se para você valeu, para mim também valeu". A falta de opinião nos librianos seria uma condição natural.

Escorpião, escorpião. Rancoroso, ressentido, cruel, vingativo. Logo após o sexo diria (não necessariamente faria): "acho que agora posso desamarrar você".

E sagitário? Mochileiro, irresponsável, aventureiro, alguém em que o investimento afetivo pode seguramente fazer você sofrer. Sua frase: "na próxima vamos fazer na cama?". Carros, banheiros de avião, escada de prédios - são locais preferidos para sagitarianos transarem.

Os capricornianos, sempre pensando em dinheiro, não necessariamente tendo dinheiro porque o gozo está na contabilidade e no controle e não no ganho em si, passa o sexo pensando em quanto está custando aquilo tudo. Logo após, solta a pérola: "mas no que você trabalha mesmo?".

Os aquarianos, segundo alguns, seres avançados, segundo outros, seres desprovidos de qualquer coração, diriam: "estou anos-luz na sua frente, portanto, não me procure".

E, por último, os piscianos, para alguns o melhor signo do zodíaco, doce, sem maus sentimentos, para outros, xarope total e perdido no mundo, sua frase seria: "qual seu nome mesmo?". Não por promiscuidade, mas, simplesmente, por xaropice.

Uma incógnita: qual seria o signo de alguém que se diz especialista em sexo e defende o uso de máscara durante o ato sexual? Não saberia essa pessoa que a boca é um órgão sexual essencial?

Deixe seu comentário


Seu e-mail não será divulgado.

Seu telefone não será divulgado.
 

Leia também