Lista telefônica

Especial Natal 2017 - Jornal Cruzeiro do Vale

Especial Natal 2017

22/12/2017

É Natal!

Sentar-se à mesa, fazer uma oração. Diante de pessoas especiais, agradecer pelo ano que se passou. Que nesse fim de 2017, todos tenham consciência de suas atitudes ao longo dos últimos 365 dias e também possam almejar o desempenho de boas ações para o futuro, acima dos bens materiais. Que possamos aproveitar os momentos de união para encontrar a felicidade nas pequenas coisas. Aquelas que não envolvem dinheiro, mas sentimentos.

Para 2018, muita saúde, perseverança, harmonia, paz, amor e coragem aos gasparenses, ilhotenses e demais leitores do Cruzeiro do Vale, que acompanham diariamente os nossos trabalhos e nos retribuem com pautas, opiniões e tanto carinho. Aos assinantes, clientes e funcionários, o nosso muito obrigado. Vocês fazem parte desta história que, no ano que vem, completa 28 anos de jornalismo.

À todos, pensamentos positivos na cabeça. A cada nova experiência que a vida nos reserva, uma nova batalha se inicia. Com determinação, o ano será de conquistas e muito sucesso. Que Deus abençoe e proteja todas as famílias, proporcionando um Natal mais do que especial e um réveillon cheio de emoções. 

 

O Natal daquele ano

Francisco era aluno do terceiro ano e tinha um muito bom aproveitamento. Era uma criança admirável! Sua família já havia vivido bem financeiramente. Porém, naquele momento, sofria as consequências da falta de emprego do pai, que havia sido demitido no início daquele ano. Era um bom trabalhador, mas a empresa que prestava serviço havia sido fechada.

O menino andava muito triste e amargurado porque a fome, o frio e a tristeza eram o pão-nosso de cada dia naquela casa. Como todos os anos, ao aproximarem-se as férias do Natal, a professora mandou que os alunos fizessem uma redação sobre a data. Francisco debruçou-se sobre o papel e, numa letra mais adulta que infantil, iniciou seu texto com o título: ‘Apelo’.

“Menino Jesus, não acredito no que tenho ouvido dizer a teu respeito, que você só presenteia a quem já tem, e nada dás a quem nada tem! Explico-te porquê: eu sei que são os pais que dão os presentes e não você. Se fosse você, tenho certeza que daria a todos e, em primeiro lugar, aos mais pobres. Sim, eu tenho a certeza que seria assim, pois você nasceu e morreu pobre.

Não venho pedir nada para mim. Meu pai está há um ano sem trabalho e precisa de ganhar dinheiro para sustentar a nossa família. Por isso, não esqueça de lhe arranjar um emprego. Eu sei que Natal quer dizer nascimento e, olha, nós também nascemos e, com certeza, não foi para que morrêssemos já, sem dar testemunho sobre a terra. Se assim fosse, como é que poderíamos dar os parabéns pelo teu aniversário?! Fique sabendo que eu nasci no mesmo dia: no Natal”.

Francisco entregou seu texto para a professora e foi para casa. Pouco antes das férias começarem, a professora chamou o aluno e disse que tinha arranjado um emprego para seu pai e que ele poderia começar a trabalhar no início de janeiro. Francisco ficou muito contente e seus pais até estranharam. Ele não contou que havia conseguido um emprego para o pai.

Na véspera de Natal, todos se deitaram cedo. Francisco não adormeceu logo. Depois de verificar que todos já estavam dormir, foi colocar seu sapatinho na porta do quarto dos pais, com um bilhete dentro.

No dia de Natal, a mãe, que era sempre a primeira a levantar, ao sair do quarto tropeçou no sapato do filho. Baixou-se, pegou nele, e leu o bilhete: “Pai, a partir de Janeiro vai ter trabalho. Foi a minha professora que lho arranjou, por causa da minha redação ao Menino Jesus. Esse é o nosso presente de Natal”.

Com lágrimas nos olhos, o casal entrou em silêncio no quarto do filho. E, ao vê-lo dormindo profundamente, disseram: “eis aqui o nosso Menino Jesus!”

 

Um segredo para a minha mãe 

“Enquanto espero pelas festas, penso em todos os Natais calorosos e maravilhosos de quando era criançaa e dou-me conta de que um sorriso me ilumina o rosto. Na verdade, são tempos que vale a pena recordar! Contudo, reparo que, à medida que fui ficando mais velha, as memórias do Natal tornaram-se menos vívidas e foram-se transformando numa época triste e deprimente… até ao ano passado. Foi nessa data que creio ter recuperado a alegria própria da infância. A alegria que eu sentia quando era criança…

Todos os anos me canso à procura de algo para minha mãe . Mais um roupão e uns chinelos, um perfume, umas camisolas? São presentes interessantes, mas que não dizem ‘eu te amo’ da maneira que deviam dizer. Desta vez, queria algo de diferente, algo que ela recordasse para o resto da vida… Algo que lhe devolvesse o sorriso na cara e a ligeireza no andar. A minha mãe vive sozinha e, por muito que eu queira passar algum tempo com ela, só consigo, com o meu horário, fazer-lhe visitas esporádicas. Portanto, tomei a decisão de ser o seu ‘Pai Natal secreto’. Mal sabia eu como acertara!

Saí e comprei todo o tipo de pequenas prendinhas e, depois, passeei-me pelas zonas mais caras do centro comercial. Arranjei pequenas ninharias, coisas que eu sabia que apenas a minha mãe iria apreciar. Levei-as para casa e embrulhei-as, cada uma de maneira diferente. Depois, fiz um cartão para cada uma delas. Tudo de acordo com a canção “Os doze dias de Natal”. E dei início à minha aventura.

O primeiro dia foi tão emocionante! Deixei o presente na porta do apartamento dela. Depois, telefonei, fingindo que era só para saber como estava. Mnha mãe estava radiante! Alguém tinha deixado ficar um presente e assinado ‘Papai Noel secreto’.

No dia seguinte, a cena repetiu-se. Quatro ou cinco dias depois, fui a casa dela, e o meu coração quase rebentou de alegria. Tinha disposto todas as prendas em cima da mesa da cozinha e andava a mostrá-las aos vizinhos. Durante todo o tempo da minha visita, a minha mãe não parou de falar no admirador secreto… Estava no sétimo céu!

Telefonava-me todos os dias com notícias da nova prenda que tinha encontrado ao acordar! Tinha decidido “apanhar” a pessoa responsável por tudo aquilo e ia dormir no sofá, com a porta completamente aberta. Por isso, nesse dia, tive de deixar a prenda mais tarde, o que a deixou aflita: será que as prendas tinham acabado?

O último dia era um sábado e o cartão dizia para se vestir e ir até ao Applebee’s para jantar. Era sinal de que iria conhecer o seu ‘Papai Noel secreto’. O cartão dizia, também, que pedisse à sua filha Susan (que sou eu) para a levar lá. Acrescentava, ainda, que reconheceria o Papai Noel secreto pelo laço vermelho que ele usaria.

Fui buscá-la e lá fomos nós. Nos instalarmos, a minha mãe olhou em volta. Perguntava-se quando iria conhecer o seu Papai Noel secreto… Devagar, tirei o casaco e exibi o laço vermelho. Ela começou a chorar. Me senti tão contente e lembrei de uma coisa muito importante: a minha mãe ensinara-me, em criança, que era melhor dar do que receber. Por isso, todos os anos em que estive triste durante as festas, foi porque procurei mais receber do que dar. Agora, podia, finalmente, sentir-me feliz.”

 

O Natal de Léo 

Tudo começou com uma curiosidade de criança: ‘Manhê, como o Papai Noel entrega presentes para todo mundo à meia-noite?”. A mãe, distraída no computador, respondeu: ‘ele é o Papai Noel, Léo. Ele consegue.”

Láo não estava satisfeito com a resposta. Oito anos de idade e já tinha curiosidade suficiente para ter um nó na cabeça tentando entender como o bom velhinho faz o que faz à meia-noite.

Foi até o pai com a mesma pergunta. O pai, com medo de falar alguma bobagem que faça o menino não acreditar em Papai Noel, fez uma longa explicação sobre fusos horários. A dúvida persistia. Léo decidiu então tomar o lugar da mãe no computador, enquanto ela ia para a cozinha preparar a janta. O menino entrou no Google e digitou: como o Papai Noel entrega presentes para todo mundo? A pesquisa ofereceu 1.345.547 resultados. Lá pela página 30, achou um link ‘fale com o Papai Noel’. Clicou, e abriu uma página com um formulário simples, para a mensagem ser enviada ‘para o Papai Noel’.

Léo não tinha muito a perder. Então, preencheu e clicou ‘Enviar’. Foi aí que tudo começou. As luzes do quarto se apagaram e foram substituídas por uma mistura de cores, que Léo identificou após alguns segundos como luzes de Natal. Lentamente ele voltou a enxergar e viu que não estava mais em casa. A primeira coisa que viu foi uma placa ‘Oficina do Papai Noel – Sem acidentes há 2.345.341.678 dias’.

“Ei, deu certo! Eu falei!”. O duende do marketing saltitava. “Eu falei que a gente devia usar o formulário do site ao invés de receber cartas!”.

“Sim, mas era para o formulário trazer crianças para cá?”, o cético duende de TI questionou.

“Veja bem, não era exatamente isso que deveria acontecer, mas é válido, pois é uma experiência co-participativa com nosso público-alvo, que permite à nossa empresa se comunicar melhor criando experiências com nossa marca…”

Os outros duendes ignoraram o do Marketing e se dirigiram a Léo. Após garantir que o menino estava bem, o levaram por largos corredores, repletos dos enfeites de Natal mais brilhantes que Léo já tinha visto.

“Pois então, Léo, em que podemos lhe ajudar?” – disse o duande do SAC.

“Bom, é que eu queria saber como o Papai Noel entrega todos os brinquedos”.

O duende do marketing saltou da cadeira. “Veja bem, esquece essa coisa da entrega: o segredo do sucesso está no nosso planejamento estratégico”.

Lá pelas tantas, o alto-falante da oficina soou: “Atenção: favor levar o menino da sala de conferências 2 para a sala do Papai Noel”

À medida que chegava mais perto do destino, os corredores pareciam brilhar com mais intensidade.

Os duendes o deixaram em uma sala grande. Na parede, fotos de diversos Natais. Em um dos cantos, sacos de cartas de crianças. Na mesa, Léo viu uma bela foto da Mamãe Noel.

Enquanto olhava para o resto da sala, uma mão lhe tocou no ombro. O susto ao ser surpreendido nem se compara ao que tomou quando viu que a mão era do Papai Noel.

Após alguns minutos de conversa, Léo finalmente fez a pergunta que o levou até o Polo Norte: “Papai Noel, como o senhor faz para entregar presentes para todo mundo?”

E Papai Noel respondeu: “Léo, apesar dos meus duendes terem se empolgado um pouco, todos eles falaram a verdade. Olha aqui para a televisão, como é feita a divisão das entregas (...)”

Léo ia ouvindo a explicação e ficando desanimado.

Então não era Papai Noel que entregava os presentes?

“Agora Leo, você vem comigo que eu vou te mostrar a minha parte”.

Léo ficou confuso. Passou com Papai Noel pelos corredores até chegar a um enorme hangar em uma das pontas da oficina, onde vários duendes já partiam para diversos pontos do mundo, com os trenós cheios de presentes. Eles se dirigiram para a plataforma principal, onde estava estacionado o trenó principal.

O velhinho acomodou Léo no banco do passageiro e subiu no trenó. Era quase meia-noite, e os dois partiram. Após mais ou menos uns 10 segundos de viagem, chegaram na cidade. Lá, um senhor dormia na rua, passando frio, abraçado a uma garrafa de pinga. A rua estava fria, feia e triste, sem nenhuma luz ou cuidado.

Papai Noel desceu do trenó. Léo, do banco do passageiro, viu Papai Noel tocar de leve a cabeça do mendigo, que se levantou após alguns instantes, sorriso na cara. Começou a se dirigir para o albergue do outro lado da rua, onde as luzes acesas e os sons eram certamente bem melhores que a rua.

Leo achou estranho, tentou perguntar algo, mas Papai Noel subiu no trenó e acelerou de novo. O trenó subiu, subiu, subiu até um ponto muito alto da cidade, na cobertura de um prédio.

Lá dentro, um senhor rico jantava sozinho uma ceia que parecia ter sido feita para 20 pessoas. Nada indicava que era Natal. Papai Noel se aproximou do homem e tocou-lhe no peito. No mesmo instante ele levantou da mesa, com olhar determinado. Juntou toda a comida da mesa em cestos improvisados, ainda buscou mais coisas da dispensa e correu até o elevador.

Papai Noel e Léo desceram do trenó e seguiram o homem, que distribuiu sua ceia aos mais necessitados. “Léo, agora sim você entende o que eu faço e a importância disso. Dar presentes qualquer um pode dar, mas o Natal serve para darmos esperança para quem tem pouco e bondade para quem tem muito”.

A próxima viagem foi para a casa de Léo, onde o velhinho o deixou a tempo da ceia com a família.

Ao ver Léo, o pai disse: “Aff, menino, aí está você! Achei que você fosse perder isso. Olha o que o Papai Noel te trouxe. Uma bicicleta, do jeito que você queria!”

O menino olhou para o pai, sorriu e disse:

“Ih pai, isso não é nada…você tem que ver o que o Papai Noel me deu esse ano…”

 

A estrela de Natal 

Há muitos e muitos anos, em uma cidade muito pequena, vivia uma família humilde, mas que sempre soube dar uma educação muito boa para seu casal de filhos: João e Elisa, com 12 e 10 anos. O Natal se aproximava e o padre da cidade, com a colaboração de alguns membros da comunidade, resolveu montar um presépio em frente à Igreja. A construção levou muito tempo, pois as figuras tinham quase o tamanho natural. Toda a cidade estava muito animada e curiosa para ver o Presépio e participar da bênção que o padre iria dar.

Escolheram a data de 6 de dezembro para homenagear a chegada de Papai Noel. Data que é utilizada até os dias de hoje para se montar a árvore de Natal. No dia da comemoração, João e Elisa se atrasaram e saíram sozinhos de casa. Correram e correram muito. Quando estavam próximos à igreja, viram um velhinho andando com muita dificuldade, apoiado em sua bengala. Ao se aproximarem, ele disse:

– Sou muito velho, e estou perdido. Vocês podem me ajudar a chegar até a minha casa ? Eu moro na rua da Esperança, número 888.
As crianças sabiam que, se ajudassem o velhinho, não conseguiriam ver a tão desejada bênção do padre.
– Elisa, é mais importante ajudar esse pobre velhinho – disse João.
Elisa, com lágrimas nos olhos, baixou a cabeça e concordou. Caminharam os dois levando o velhinho até a sua casa. Chegando lá, ele agradeceu e disse:
– Muito obrigado, crianças. Vocês sabiam que no dia de São Nicolau acontecem coisas mágicas para aqueles que foram bons durante o ano?
Elisa, muito envergonhada, disse:
– Nós fomos bons, mas fizemos algumas travessuras.
O velho, comovido, olhou para os olhos dos dois e disse:
– Corram até o presépio para a bênção, pois ainda há tempo.

Os dois se despediram e correram até a praça, mas não havia mais ninguém. Só encontraram o presépio que estava muito bonito. A noite estava silenciosa e apenas as estrelas os observavam, cintilando no céu.

Todos tinham trazido presentes e flores para enfeitar o presépio. Tudo estava muito bonito. Como eram pobres e não tinham nada para dar, colheram algumas ervas-daninhas que cresciam por entre as pedras do chão e as colocaram na manjedoura, com muita devoção, ao redor do Menino Jesus. Nesse momento, perceberam que alguém se aproximava e olharam para trás. Ficaram surpresos ao ver o velho caminhando na direção deles, sem o apoio da bengala. A cada passo que ele dava, o chão se iluminava com um azul brilhante, formando uma trilha de passos azuis. As crianças ficaram olhando e sentiam em seus corações uma alegria sem fim.

O velho disse:
– Vocês são crianças muito especiais. Todos os anos eu tenho a esperança de ainda encontrar sentimentos puros nos corações dos filhos de Deus. E vejo que ainda existe esperança. Coloquem sua mão esquerda no coração e com a direita toquem essas ervas daninhas que trouxeram como oferenda para o Filho de Deus.

As crianças obedeceram e, ao tocarem nas ervas-daninhas, uma luz começou a brilhar e aos poucos foi transformando-as em uma planta muito especial com folhas vermelhas, conhecida e usada nos dias de hoje como a Estrela de Natal.

O velho se aproximou das crianças e disse:
– Vocês são um exemplo de bondade e já são abençoadas, nunca se esqueçam desse dia.
João, muito curioso, perguntou:
– Ainda não sabemos o seu nome.
O velhinho ficou uns instantes em silêncio e disse:
– Podem me chamar de Nicolau.

Nesse momento, o bom velhinho tirou do bolso duas bengalinhas brancas de açúcar com listas vermelhas e deu uma para João e outra para Elisa. Enquanto as crianças olhavam o presente com muita emoção, não viram o velhinho se afastar.

Quando perceberam, estavam novamente sozinhos. E, quando olharam novamente para o presépio, viram que o velhinho era uma das figuras que, naquele momento, sorria para eles.

 

24 dias de presentes e espera

No dicionário, a palavra ‘expectativa’ é definida como um grande desejo por receber uma notícia ou presenciar um acontecimento que seja benéfico e próspero. Foi com o objetivo de proporcionar essa sensação aos filhos que Alessandra Pereira, moradora do bairro Bela Vista, resolveu inovar o Natal em sua casa. Há três anos, os pequenos João Eduardo e Sophia Clara, de dez e quatro anos respectivamente, são surpreendidos com o Varal da Expectativa durante o mês de dezembro.

Em formato de estrela, toucas de papai Noel e pinheiros natalinos, os saquinhos de presente pendurados no Varal da Expectativa são preparados com muito amor pela mãe. De acordo com Alessandra, a ideia de trazer esse adicional às festas de fim de ano da sua família surgiu através de uma amiga. “Ela fazia para o namorado e escondia as surpresas pela casa. Gostei muito desse formato e então decidi adaptar a ideia para agradar meus filhos. Deu muito certo”.

O carinho da mãe desperta a curiosidade dos filhos e aquece o convívio familiar ainda mais. “Em todos os 24 dias que antecedem o Natal, eles acordam ansiosos para ver o que vai ter no pacote. Há uma expectativa muito grande por parte deles. No grande dia, 25 de dezembro, eles então recebem o presente que, na cabeça deles, é o enviado pelo papai Noel”.

Do dia 1º ao dia 24 de dezembro, João e Sophia recebem surpresas que variam entre doces materiais escolares, roupas e brinquedos. As lembranças fazem com que o espírito natalino invada a casa da família e aproxime ainda mais pai, mãe e filhos nesta época do ano.

Junto do irmão, Sophia acorda ansiosa todos os dias para conferir o qual será o presente do dia.

Na casa de Alessandra Pereira, os pequenos João e Sophia encontram no ‘Varal da Expectativa’ a emoção e a contagem regressiva para o Natal.


Qual o presente ideal?

Você ainda não sabe o que comprar para a prima que tirou no amigo secreto? Está em dúvida em como presentear o amigo de infância neste Natal? Qual a lembrança ideal para agradar a própria mãe na tão esperada ceia? O ano passa num estalar de dedos e, quando percebemos, as confraternizações de fim de ano já estão prestes a acontecer. Na correria do dia a dia, fica difícil sentar e planejar o que comprar para cada pessoa querida. Diante de tantas opções disponíveis nas lojas, comprar estes itens pode se tornar uma tarefa difícil.

Para não errar na escolha, trazemos algumas dicas de produtos que podem ser adaptados para crianças, adultos e idosos. É imprescindível destacar que cada pessoa possui uma personalidade diferente. Então, as dicas podem não se adequar a todos.

Utilidade imediata
Caixas de todos os tamanhos, pacotes de diversas cores e texturas. De fato, a chegada do Natal e a colocação dos presentes embaixo do pinheirinho deixam os pequenos muito ansiosos para abrir cada embalagem. As crianças vivem em outro ritmo e consideram muito importante poder utilizar os presentes imediatamente. Por esse motivo, o mais legal é presenteá-los com peças de roupas de verão e brinquedos para a praia, por exemplo. Vale pesquisar as cores que mais os agradam antes de fazer a compra.

Decoração moderna
Presentear jovens costumava dar dor de cabeça. Mas, com o passar do tempo, os produtos sem gênero ganham cada vez mais espaço e hoje está menos complicado escolher um presente legal para os adolescentes de ambos os sexos. Uma dica infalível é investir em presentes dinâmicos, divertidos e que possam ser utilizados em ambientes diferenciados. São boas escolha para esse fim de ano: painéis de fotos, quadros no estilo geek e porta-livros. Para esse público, ainda é válida a compra de equipamentos eletrônicos e roupas. 


Acessórios em alta
Vida de adulto não é fácil. Neste fim de ano, invista em presentes para a casa. Independentemente do sexo, compre para seu ente querido adulto utensílios práticos de cozinha, kits de ferramentas e churrasco. Se a lembrança for para alguém muito próximo e com personalidade marcante, arrisque um perfume ou livros. Também farão os olhos dos presenteados brilharem: chinelos, vale-compras e produtos de beleza.


Recordar é viver
Em geral, idosos gostam de ser presenteadas com coisas que relembrem momentos marcantes e especiais em suas vidas. Porta-retratos, sejam eles grandes ou pequenos, coloridos ou preto e branco, sempre serão bem-vindos na casa do vovô e da vovó. Os parentes e conhecidos da terceira idade também adorariam ganhar roupas de cama, álbum de fotos e arranjos de flores, pantufas e roupas.

 

Comércio atende em horário especial no fim de semana do Natal

As tradicionais festas de fim de ano costumam ser marcadas pela união familiar e também pela troca de presentes. Pensando na melhor forma de atender a todos, as lojas associadas à Câmara de Dirigentes Lojistas de Gaspar estão atendendo em horário especial de fim de ano. Se você ainda não fez as compras de Natal, fique tranquilo porque ainda dá tempo de agradar a família e amigos.

Nesta sexta-feira, 22 de dezembro, o comércio atende das 8h às 21h. O mesmo horário se aplica ao sábado, dia 23. No domingo, 24 de dezembro, véspera de Natal, o atendimento será até às 13h. Na segunda-feira de Natal, 25 de dezembro, o comércio vai estar fechado, assim como no dia 31 de dezembro e 1º de janeiro de 2018. Porém, entre os dias 26 e 30, o atendimento das lojas segue no horário comercial estabelecido durante o restante do ano.

Presentão de Natal
Durante o mês de dezembro, os consumidores de Gaspar foram arrecadando cupons da tradicional promoção ‘Presentão de Natal’ da CDL, na medida em que faziam suas compras. A comunidade depositou os bilhetes nas urnas e começou a torcer por um fim de ano de sorte. O tão esperado sorteio será realizado às 19h desta sexta-feira, 22 de dezembro, na Praça Getúlio Vargas, no Centro. Serão sorteados 20 vale-compras de R$300,00 e o prêmio máximo: R$15 mil em dinheiro.

 

Como é o Natal fora do Brasil?

Você já parou para imaginar em como o Natal é comemorado em outras partes do mundo? Apesar de a data ter uma grande representatividade no cristianismo, fora do Brasil o Natal é comemorado de diversas maneiras. Conheça um pouco sobre as tradições de algumas nações:


Alemanha
Achou, ganhou. A criança que encontrar um picles escondido na árvore de Natal ganha um presente extra, além de muita boa sorte para o próximo ano.

Ucrânia
É comum ver teias de aranhas enfeitando as árvores de Natal dos ucranianos. Reza a lenda que uma viúva e seus filhos tiveram sua árvore, sem enfeite nenhum, decorada por teias de aranhas e, no primeiro raio de sol, as teias se transformaram em ouro e prata.

Áustria
Uma ‘simpática’ criatura, meio demônio e meio cabra, é o oposto do bom velhinho: vem assustar e capturar as crianças que não se comportaram bem no Natal. O personagem também é famoso em outras partes da Europa, tanto que possui até festas temáticas para os adultos.

Suíça
Anualmente, na pequena cidade de Samnaun, há uma competição na casa de esqui do vilarejo que elege o melhor Papai Noel. Popularmente conhecida como ‘ClauWau’, conta com 100 participantes vestidos a caráter que encaram desafios como escaladas, circuitos com obstáculos, corridas de esqui e até decoração de biscoitos.

Groelândia
Peru de Natal e salada de maionese? Nada disso. Na Groelândia, o prato é o Kiviak. Modo de preparo: ceife a cabeça de uma foca e costure-a feito um saco. Encha-a com vários pássaros típicos e deixe o banquete enterrado e fermentando durante meses. Dizem que o gosto é semelhante ao queijo gorgonzola.

Índia
Mesmo representando só 2,3% da população, a parcela cristã da Índia ainda assim é formada por 25 milhões de pessoas. Apesar da celebração ser comemorada de forma similar às outras ao redor do mundo, pela falta de pinheiros para enfeitar, geralmente as árvores de bananas ou mangas são utilizadas.

República Tcheca
Na República Tcheca, o Natal possui algumas tradições que podem contar o que te espera no próximo ano. As moças solteiras pegam um sapato de salto alto e o atiram para cima de seu ombro. Se a ponta dele cair em direção a porta, casamento à vista!

Islândia
O folclore conta que o gato monstro se esconde na neve e devora aqueles que não ganharam nenhuma roupa nova no Natal. A tradição diz que somente as crianças que terminaram seus afazeres ganham vestimentas para se salvar do gato Yule, que fica bisbilhotando os pequenos pelas janelas das casas.

 

Dezembro de encantos em Gaspar 

Dezembro iniciou com força total em Gaspar. Para celebrar a época mais mágica do ano, a Prefeitura promoveu uma programação de eventos repleta de bons sentimentos. O auge do calendário de Natal na cidade foi marcado pelo desfile na rua Coronel Aristiliano Ramos, no Centro, que reuniu centenas de pessoas no dia 14 de dezembro.


O prefeito Kleber Wan-Dall desfilou e contou com a companhia da Realeza do Festinver, bailarinos da Associação Amigos da Dança de Gaspar, integrantes do grupo da Terceira Idade, Lions Clube, a Conferência Vicentina, Pastoral da Criança, Gaspararte, Clube das Mães do Belchior, Moto Trilha Belchior, Fisk, Fazzenda Park Hotel, Pinoko’s e Bike Segura. Além disso, a programação contou com concertos natalinos, espetáculos de dança, festivais e a presença do Papai Noel no Coreto Municipal.

Com o objetivo transformar o Natal de dezenas de crianças, Diva Paulo, moradora do Residencial Milano, promoveu uma ação beneficente no dia 17. Ela doou roupas, calçados, brinquedos e doces arrecadados com a ajuda da comunidade e comerciantes. Durante o evento, foi servido um delicioso bolo que surpreendeu a todos pelo tamanho: um metro. 

Papai Noel do Lions 
O clima natalino ficou ainda mais em evidência com a ação organizada pelo Lions Clube de Gaspar, que animou a comunidade no dia 10, distribuindo doces com o caminhão do Papai Noel. Nesse ano, a carreata teve início no bairro Gasparinho. O bom velhinho e seus ajudantes do Lions passaram pelo Coloninha, Figueira, Centro, Santa Terezinha, Sete de Setembro e Margem Esquerda.


Unidos para fazer o bem
A forte parceria do grupo gasparense ‘Amigos de Vegas’ promoveu no dia 17 de dezembro, pelo terceiro ano consecutivo, uma boa ação de Natal. Eles passaram nos bairros Margem Esquerda, Centro, Sete de Setembro, Gaspar Grande e Coloninha. Ao todo, foram distribuídos 240 quilos de doces, 200 brinquedos e diversas cestas básicas. Para encerrar com chave de ouro, o grupo estacionou o caminhão do Papai Noel e fez um lanche com a comunidade. As crianças puderam comer cachorro quente, tomar refrigerantes e brincar na cama elástica e piscina de bolinhas. 


Ceia de Natal do PMDB 

O clima natalino invadiu a Sociedade Alvorada na noite de  4 de dezembro. Isso porque o PMDB de Gaspar promoveu a ‘Ceia de Natal Amigos do 15’. O evento foi contagiado pelo espírito de confraternização, amor, agradecimento e companheirismo. 


Encerramento em Ilhota

A Escola Domingos José Machado, em Ilhota, reuniu toda a comunidade para um encerramento mais que especial em 1º de dezembro. A instituição de ensino distribuiu brindes e homenageou os estudantes. Para alegrar a criançada, a entrega dos presentes foi feita pelo próprio papai Noel. Os momentos de alegria foram marcados por apresentações culturais dos alunos, com músicas e poesias; e a presença da equipe de funcionários da Viacredi, que animou a todos com um teatro. Durante o evento, a comunidade ganhou pipoca e algodão doce.

 

Dicas de Réveillon na região

Com as mais belas praias do país e em constante desenvolvimento, Santa Catarina se prepara para mais um Réveillon. A programação da virada de ano promete um show de emoções nas principais cidades turísticas do Estado. Como tradicionalmente acontece, a queima de fogos e atrações musicais fazem parte da maior expectativa em Blumenau, Florianópolis, Balneário Camboriú, Navegantes, Barra Velha e São Francisco do Sul.

Balneário Camboriú
O segundo maior Réveillon do Brasil acontece bem pertinho. As festas de boas-vindas para 2018 de Balneário Camboriú, que ficam atrás apenas das de Copacabana, no Rio de Janeiro, terá 15 minutos de queima de fogos em dez balsas na orla da Praia Central. Conforme estima a prefeitura municipal, pelo menos 1 milhão de pessoas vão compartilhar esse momento na cidade. 


Navegantes
Quem está com viagem marcada para Navegantes vai poder assistir a três shows pirotécnicos simultâneos, com cerca de 15 minutos cada, na Praça Central, na Praia de Gravatá e na Praça Orlando Ferreira. Para agitar a última noite do ano, as bandas Incandescente e Nem Bin Laden Acredita prometem muita energia positiva para o próximo ano. 

Barra Velha
Ao que tudo indica, Barra Velha terá a queima de fogos mais longa. O estimado pela prefeitura é a duração chegue a 20 minutos. A cidade ainda promove shows musicais com bandas da região na praia Central.


Blumenau
Muitos gasparenses e ilhotenses planejaram se despedir de 2017 na cidade vizinha: Blumenau. Nesse Réveillon haverá queima de fogos por 15 minutos em balsas distribuídas nas regiões do Museu da Água, Prainha e Ponte de Ferro. Além disso, bandas locais irão fazer do momento ainda mais especial, com apresentações na avenida Beira-Rio. 


São Francisco
O Centro Histórico de São Francisco do Sul será palco para shows de música no dia 31 de dezembro. Aliás, outros dois pontos da cidade vão receber apresentações na data especial: o aterro da Babitonga e a Enseada. Apesar de não estar programada a queima de fogos, a comunidade está animada com as atrações.

 

Como dar uma virada em 2018

A palavra ‘reflexão’ é muito utilizada nesta época de confraternizações natalinas e réveillon. Ela, que geralmente é definida pela concentração de ideias e sentimentos, também carrega outro importante significado: refletir é fugir de problemas, não ser precipitado, evitar a imprudência e a impulsividade. Ou seja, são os momentos de reflexão que colaboram para o sucesso e, muitas vezes, resultam em uma guinada na vida de muitas pessoas no futuro. Você sabe o que te espera em 2018? Reflita!

Lista de desejos
Antes de pedir que 2018 te traga sucesso, decida o quais são os seus verdadeiros desejos e faça-os acontecer. Para começar, liste as coisas que você considera importante manter e mudar na sua vida. Por exemplo: caso estejas insatisfeito com o seu atual emprego, procure novas oportunidades, retome contato com antigos colegas de trabalho, busque uma nova qualificação, atualize o currículo e distribua em lugares onde você se vê exercendo a sua profissão. 

Chega de desculpas
Quem realmente quer, consegue. Deixe de lado desculpas como ‘não tenho tempo’, ‘é muito difícil para mim’ e ‘a concorrência é grande demais’. Arrisque-se para alcançar seus objetivos. Veja o lado bom das coisas antes de considerar os problemas que você pode encontrar no caminho. Lide bem com os desafios que a vida lhe propõe e evite terminantemente os pensamentos negativos. Se não der certo, aprenda com os erros e tente novamente. Para 2018, você precisa de foco, persistência e disciplina.  

Tchau, hábitos ruins
Desorganização, medo e preguiça? Deixe de lado qualquer hábito que possa impedir você de seguir uma vida projetada para o sucesso. Apesar de ser comum o ser humano ter momentos de fraqueza, é imprescindível saber domar os problemas pessoais e substituí-los por aprendizados. Não adie, não desista. Se aproxime de pessoas felizes e seja sincero com você mesmo.

Aprenda sempre mais
Se você está na escola, capriche. Se faz uma graduação, persista. Se começou um curso, dê o seu melhor. Mas, se você não está estudando em nenhuma instituição de ensino, não deixe de utilizar outros métodos para crescer intelectualmente. Hoje em dia, há informações em todos os cantos. Procure se atualizar sobre o que acontece ao redor do mundo, no país, estado e, principalmente, na sua cidade. Aproveite o conteúdo disponibilizado pelos veículos de comunicação e utilize a internet a seu favor.


Preparo financeiro
O ano começa com muitos gastos: IPVA, licenciamento, seguro, matrículas, IPTU.. É possível sobreviver a essa enxurrada de contas a pagar com um bom planejamento financeiro durante o ano anterior. Independentemente da forma como irá executá-lo, considere uma prioridade colocá-lo em prática. Além de reservar dinheiro para os gasto previstos, leve em consideração as possíveis emergências. 

 
Edição 1832
 

Comentários

Deixe seu comentário


Seu e-mail não será divulgado.

Seu telefone não será divulgado.